...
 

Eixos do nosso Programa

Explore os eixos do nosso programa

1. Unifesp em defesa da autonomia universitária, da democracia e da vida

2. Relação Universidade, Sociedade e Políticas Públicas

3. Política para estudantes: diálogo, participação e democratização do acesso, assistência e permanência estudantil

4. Política de pessoal: valorização dos servidores públicos e o fortalecimento da comunidade universitária

5. Projeto acadêmico: indissociabilidade ensino, pesquisa, extensão e cultura, internacionalização e o sentido público da universidade pública

6. Política de inovação tecnológica, social e em políticas públicas: gestão intersetorial e colaborativa 

7. Hospital Universitário da Unifesp: projeto acadêmico assistencial e articulação do complexo em saúde da Unifesp

 

8. Governança democrática e participativa a integração entre a Reitoria, os Campi e as Unidades Universitárias

9. Governança Digital: gestão de tecnologia de informação e comunicação - TIC, integração de sistemas, serviços digitais, acesso aberto, dados estratégicos e comunicação

 

Eixo 1: Unifesp em defesa da autonomia universitária, da democracia e da vida

Objetivo 1.1: MANTER A COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA MOBILIZADA PARA RESPONDER AOS DESAFIOS BRASILEIROS CONTEMPORÂNEOS

  • Atuar de forma permanente, em todos os fóruns, em defesa da universidade pública, democrática e de sua autonomia didático-científica e de gestão financeira, administrativa e patrimonial, garantida pelo Artigo 207 da Constituição Federal; 

  • Atuar permanentemente em defesa da educação pública, gratuita e de qualidade, em todos os níveis, etapas e modalidades de ensino, definindo estas ações como fundamentais para o desenvolvimento do país; 

  • Atitude permanente de defesa do acesso à saúde pública qualificada para toda população e do Sistema Único de Saúde – SUS;

  • Defender de maneira intransigente a ciência e a prática da evidência científica como instrumentos de melhoria da qualidade de vida das pessoas; 

  • Apoio institucional no reconhecimento e defesa da especificidade da pesquisa e da produção acadêmica das humanidades; 

  • Trabalhar em defesa da garantia de financiamento adequado, para investimento e custeio das áreas da saúde, educação, ciência, tecnologia e inovação como prioridades para o desenvolvimento do país. Enquanto financiamentos estratégicos e prioritários, sensibilizar o parlamento sobre os riscos impostos e lutar pela revogação da PEC 95; 

  • Lutar pela garantia do financiamento público estável, para as universidades federais independente de iniciativas para o estabelecimento de parcerias público-público e público-privadas, com prevalência do interesse público. 

  1.  

Objetivo 1.2: PROMOVER UM AMBIENTE ORGANIZACIONAL COOPERATIVO, ONDE A AMPLA DIVERSIDADE DE AÇÕES SEJA VALORIZADA E INTEGRADAS DE FORMA A CONSTITUIR UM CICLO HARMONIOSO PARA O SUCESSO DA MISSÃO INSTITUCIONAL

  • Garantia da diversidade, da promoção da igualdade étnico-racial e de gênero na universidade, e da liberdade de pensamento, de expressão e de linguagens; 

  • Ações com o propósito de promover a empatia como um valor essencial para a convivência e para um ambiente acolhedor e produtivo;

  • Compreender as especificidades e diversidades dos diferentes campos do conhecimento e trabalhar para sua integração;

  • Manter uma relação de reciprocidade com a sociedade, a partir da formação qualificada, difusão cultural, incentivo à pesquisa e ações e extensão, compartilhando conhecimentos culturais, científicos e técnicos produzidos por meio da formação e das publicações. 

 

Eixo 2: Relação Universidade, Sociedade e Políticas Públicas

Objetivo 2.1: TORNAR A UNIVERSIDADE MAIS ABERTA E MAIS PRÓXIMA DA COMUNIDADE E FORTALECER AÇÕES E PROJETOS COLABORATIVOS

  • Promover o diálogo permanente com a sociedade, respeitando e garantindo a autonomia e a independência, a partir da criação e difusão cultural, incentivo à pesquisa, colaboração na formação continuada de profissionais e divulgação do conhecimento; 

  • Desenvolver ações e projetos intersetoriais e multicampi, enfatizando a formação crítica e autônoma, voltada para o conhecimento e resolução de problemas da população, e buscando melhorar o impacto social da pós-graduação e pesquisa e continuamente analisando seus indicadores; 

  • Fortalecer a Política de Inovação e a Agência de Inovação Tecnológica e Social – AGITS Unifesp, desenvolvendo projetos estratégicos na relação Universidade, sociedade e políticas públicas;

  • Fomentar as parcerias público-público e público-privadas na Unifesp, sem abrir mão de financiamento público estável, tendo como pressuposto a prevalência do interesse público.

  1.  

Objetivo 2.2:  FORTALECER E AMPLIAR OS CANAIS DE RELAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO COM A SOCIEDADE E APROFUNDAR AS AÇÕES DE TRANSPARÊNCIA E DE CONTROLE SOCIAL

  • Consolidar o Conselho Estratégico Universidade-Sociedade – CEUS como espaço consultivo, de diálogo institucionalizado entre a Universidade e a Sociedade, em seus diversos segmentos, incluindo setor privado, público e terceiro setor. 

  • Criar Conselhos Estratégicos Universidade-Sociedade – CEUS em todos os campi, incluindo setor público local, movimentos sociais e setor produtivo;

  • Fortalecer as parcerias com as entidades representativas das IFES, com os fóruns, frentes e movimentos sociais do campo da educação, pela defesa e garantia de uma política de educação que promova a consolidação e a expansão com qualidade do ensino superior público;

  • Ampliar a governança retomando, com os Prefeitos e Vereadores recém eleitos, a Frente de Prefeitos para o Desenvolvimento da Unifesp;

  • Manter e fortalecer amplo diálogo com setores da sociedade civil que apoiam universidade pública, gratuita e socialmente referenciada;

  • Ampliar os mecanismos institucionais e parcerias com movimentos sociais e organizações da sociedade civil, pelo combate ao racismo, preconceito, sexismo e qualquer forma de violência, políticas voltadas para adolescências e juventudes, como também de promoção de uma cultura de diálogo, pluralidade e defesa dos direitos humanos; 
    Ampliar a visibilidade da Unifesp, a divulgação de todas as suas ações e conquistas para a sociedade, por meio de comunicação integrada entre as diversas mídias;

  • Ampliar as ações da Unifesp através de mídias sociais entendendo seus potenciais para acesso à informação de qualidade para a comunidade interna e externa; 

  • Ampliar a execução de projetos na relação Universidade-Sociedade, conforme os eixos definidos no PDI 2021-2025”; 
    Ampliar a visibilidade da Unifesp, a divulgação de suas ações, cursos, pesquisas, publicações e conquistas para a sociedade, por meio de comunicação integrada (exemplos: WebTV, rádio, revistas, editora e demais ações de comunicação pública e publicidade); 

  • Ampliar as atividades no campo da cultura, educação e comunicação em direitos humanos, em diálogo com a sociedade e redes de serviços públicos (escolas, saúde e equipamentos culturais), e novos cursos de extensão nesta área. 

Eixo 3: Política para estudantes: diálogo, participação e democratização do acesso, assistência e permanência estudantil

Objetivo 3.1: PROMOVER O ACESSO, A ASSISTÊNCIA E A PERMANÊNCIA NA UNIVERSIDADE

  • Dar continuidade e atenção prioritária às ações de apoio aos estudantes no contexto da pandemia, como empréstimo de computadores, acesso à internet, atendimento em saúde e acompanhamento pedagógico, com orientação do Comitê Permanente de Enfrentamento a COVID-19 – CPEC Unifesp e mobilização constante das instâncias universitárias;

  • Priorizar ações de promoção, prevenção de riscos e agravos à saúde física e mental de estudantes no contexto da pandemia da COVID-19, pelos Núcleos de Apoio ao Estudante - NAEs e Serviço de Saúde do Corpo Discente - SSCD, buscando a interlocução com as redes de assistência à saúde; 

  • Consolidar e aprimorar a Rede a Apoio à Saúde Mental dos(as) Estudantes, de forma a fomentar parcerias, projetos transversais e ações sistemáticas que pautem a saúde mental em suas múltiplas dimensões, entre elas o sofrimento acadêmico e a prevenção ao suicídio.

  • Monitorar, avaliar, e consolidar os programas, projetos e editais desenvolvidos pela Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis – PRAE junto aos NAEs, e submetidos a aprovação do Conselho de Assuntos Estudantis - CAE;

  • Participar ativamente dos debates para o fortalecimento normativo do Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES), Decreto no. 7234/2010, para a aprovação em lei pelo Congresso Nacional; 

  • Aperfeiçoar continuamente sistemas, fluxos e procedimentos do Programa de Auxílio para Estudantes (PAPE), garantindo a gestão de informações, agilidade na manutenção e concessão de auxílios, a partir da análise socioeconômica e marcadores sociais da diferença de estudantes, priorizando os/as mais vulneráveis; 

  • Lutar contra os cortes orçamentários, e buscar recursos para garantir a concessão, ampliação e reajuste de auxílios, subsídio de alimentação nos restaurantes universitários e demais ações e programas de permanência estudantil;  
    Monitorar e aprimorar de forma participativa a Política de Alimentação da Unifesp, mantendo este direito a todos(as) estudantes;

  • Aprimorar a qualidade dos restaurantes universitários quanto às suas infraestruturas, contratos e qualidade dos serviços, considerando os relatórios de acompanhamento realizados pela PRAE (nutricionista) junto as Diretorias dos Campi, as pesquisas de satisfação de usuários/as, assim como a fiscalização realizada pelas comissões locais;
    Criar e apoiar atividades que valorizem a dimensão simbólica, existencial e afetiva da permanência estudantil na Unifesp;

  • Construir condições de viabilidade e financiamento para as moradias estudantis já projetadas (Campus Osasco, São José dos Campos, e São Paulo), e dar continuidade da orientação aos campi que ainda não possuem terrenos e/ou projetos executivos, com recomposição das comissões de moradia; 

  • Consolidar o trabalho das equipes atuantes com assistência e permanência estudantil no âmbito da Unifesp, articuladas pela PRAE, com apoio e orientação às direções dos campi a recompor e a ampliar as equipes dos NAEs;
    Monitorar e aprimorar de forma participativa a execução da Política de Acessibilidade e Inclusão de Pessoas com Deficiência na Unifesp;  

  • Fortalecer a Câmara Técnica de Acessibilidade e Inclusão (CTAI) e os Núcleos de Acessibilidade e Inclusão (NAI) de cada Campus, com trabalho de articulação e implementação em rede, e realizar a contratação de prestação de serviço com pessoas especializadas para auxiliar na garantia do direito de acessibilidade e inclusão das pessoas com deficiência na Unifesp;  

  • Monitorar e aprimorar de forma participativa a Política sobre Álcool e outras Drogas da Unifesp;
    Ampliar ações voltadas à promoção da saúde e bem estar, autoestima, socialização, cultura, melhoria na qualidade de vida, dentre outros, visando proporcionar a comunidade estudantil a convivência em sua totalidade dentro dos espaços disponíveis da Universidade e em seu entorno; 

  • Manter a Comissão de Estudos de Perfil dos Estudantes de Graduação (CEPEG) com pesquisas censitárias de ingressantes; e criar, divulgar e debater as pesquisas que avaliem o perfil de estudantes ao longo da sua formação, articulando ao trabalho de acompanhamento dos egressos iniciado pelos Observatórios; 
    Apoiar os cursinhos populares da Unifesp e outras instituições parceiras para garantir condições de acesso e pré-permanência às populações vulneráveis; 

  • Compreender e agir nos âmbitos material e simbólico para a permanência de estudantes negros e indígenas na Universidade, de forma a melhor acolhê-los e acompanhá-los ao longo da formação; 

  • Atuar de maneira contundente contra todas as formas de racismo na instituição e na sociedade; criar política específica de permanência estudantil para atender as demandas de estudantes refugiados e imigrantes da Unifesp; consolidar as ações já existentes e criar a política de diversidade sexual, de gênero e atenção às pessoas trans na Unifesp; 

  • Consolidar as ações, projetos e programas de permanência estudantil em suas diferentes áreas para criar a Política de Permanência Estudantil da Unifesp, a partir do diálogo com estudantes e junto às instâncias universitárias;
    Desenvolver programa de formação continuada para docente para avanços no processo ensino-aprendizagem, por conseguência a permanência estudantil. 

Objetivo 3.2:  FORTALECER O DIÁLOGO, A PARTICIPAÇÃO E AS POLÍTICAS PARA OS ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO DA UNIFESP

  • Dar continuidade e aprimorar mecanismos de participação e diálogo com a comunidade, nas comissões e colegiados, além de prestar contas das ações realizadas.

  • Manter o diálogo aberto com estudantes, construindo ações junto às representações estudantis e coletivos;

  • Manter e aprimorar ambientes mais sustentáveis, saudáveis e acolhedores;

  • Adotar uma linguagem mediadora, de diálogo e restauração de relações ao atuar na resolução de conflitos;

  • Criar mecanismos de apoio e fortalecimento junto aos campi, setores públicos e privados e sociedade civil de participação e integração de estudantes, contemplando a diversidade de suas organizações estudantis;

  • Em conjunto com estudantes, revisar o Código de Conduta Estudantil e seus fluxos;

  • Promover debates e parcerias entre os campi e as respectivas Prefeituras para viabilizar o acolhimento de filhos de estudantes na educação infantil da rede pública, bem como buscar recursos orçamentários para ampliar o auxílio creche, atualmente de R$ 120,00 por criança de até 6 anos;

  • Viabilizar e consolidar em cada Campus estruturas para acolher estudantes mães e seus filhos(as) como local para amamentação, fraldário etc;

  • Viabilizar parcerias entre os campi, empresas de transporte público e municípios para facilitar o acesso com segurança e comodidade;

  • Melhorar os sistemas de integração entre as bibliotecas e de seus serviços;

  • Finalizar a construção da biblioteca do Campus Diadema e a reforma do Centro Cultural em Saúde da Unifesp no Campus São Paulo.

Objetivo 3.3:  FORTALECER O DIÁLOGO, A PARTICIPAÇÃO E AS POLÍTICAS PARA O CORPO DISCENTE DA PÓS-GRADUAÇÃO E PARA OS EGRESSOS DA UNIFESP  

  • Lutar para retorno de Bolsas da Capes, CNPq e financiamento à pesquisa para estudantes da pós-graduação stricto sensu e apoiar as mobilizações em defesa da Fapesp, contra o PL no 627/2020;

  • Priorizar ações de promoção, prevenção de riscos e agravos à saúde física e mental, por meio da garantia de ações permanentes de promoção de saúde mental para o corpo discente da pós-graduação, pelos Núcleos de Apoio ao Estudante - NAEs e Serviço de Saúde do Corpo Discente - SSCD, buscando a interlocução com as redes de assistência à saúde e o desenvolvimento de projetos de extensão e cultura;

  • Promover ações e debates na comunidade universitária para demonstrar a pós-graduação stricto sensu como atividade de construção social – não é mero aprimoramento técnico, mas sim uma maneira de entender e ensinar, factualmente entregando à sociedade melhorias (melhor capacidade de formação de pessoas, inovação científica, integração com ensino básico, oportunidades diversas de atividades de extensão e assistência, entre outros);

  • Ampliar funcionalidades do Portal do Egressos da Unifesp de forma a reunir os egressos e estabelecer uma comunicação permanente com nossos ex-estudantes, bem como fortalecer a integração com a sociedade;

  • Desenvolver atividades de sensibilização e divulgação para aproximação de estudantes de graduação e de pós-graduação com o mercado de trabalho, por meio de iniciativas como feiras, mentoria durante o curso, e criando redes de contatos para que empregadores possam acessar o ativo intelectual humano gerado na Universidade;

  • Promover ações constantes de valorização à diversidade, à inclusão e ao sentimento de pertencimento à universidade para todo o corpo discente, valorizando a pluralidade na Unifesp como força, em contato com as diversas realidades que compõe nossa sociedade, permitindo à comunidade da Unifesp uma oportunidade enorme de aprendizagem e crescimento;

  • Dar continuidade e fortalecer as ações de promoção da igualdade racial, de gênero, e a inclusão para pessoas trans e para as pessoas com deficiência na pós-graduação e pesquisa;

  • Promover e valorizar iniciativas de promoção da igualdade de gênero, de raça, de diversidade sexual, e de liberdade religiosa na pós-graduação, apoiando ações como a das “Mulheres na Ciência Unifesp”, que busca garantir mecanismos de igualdade de gênero, respeito à primeira infância, e de garantia do direito à maternidade para estudantes de pós-graduação, tais como a criação de salas de amamentação para pós-graduandas que têm filhos durante o curso, assim como a propositura de políticas em relação às condições de isonomia na pós-graduação;

  • Defender e promover “advocacy” junto às agências de fomento e de avaliação da pós-graduação para que a maternidade seja sempre uma opção a ser tomada exclusivamente pela estudante;

  • Promover a interação entre estudantes, docentes e TAEs, para a construção coletiva de atividades curriculares formativas intersetoriais, com apoio da PROPGPq e das Câmaras de PGPq, em interface com a PROGRAD e PROEC, visando a formação de gestores com aprofundamento do conhecimento e das atividades de gestão acadêmica universitária;

  • Promover diálogos e debates com estudantes da pós-graduação em temas convergentes, transversais, de interesse público, como ciência aberta, aproximando os estudantes do Instituto de Estudos Avançados e Convergentes – IEAC Unifesp, assim como de outros órgãos complementares;

  • Criar grupo de trabalho para desenvolver estudo e proposta para a Universidade buscar fontes alternativas de bolsas para a pós-graduação e estratégias de captação de recursos para projetos institucionais, com a participação das Unidades Universitárias e da Fundação de Apoio à Unifesp – FapUnifesp;

  • Promover a inclusão e participação dos egressos da Unifesp em ações permanentes junto à comunidade universitária, como nos debates para discutir melhorias para nossos discentes e nossa política de ensino de pós-graduação e de pesquisa, a defesa da ciência e da Universidade pública, assim como nas Campanhas de Mobilização e Doações para projetos de desenvolvimento da Unifesp e do Hospital Universitário; 

  • Ampliar funcionalidades do Portal do Egressos da Unifesp de forma a reunir os egressos e estabelecer uma comunicação permanente com nossos ex-estudantes, bem como fortalecer a integração com a sociedade;

  • Realizar ações intersetoriais entre a pós-graduação “stricto sensu” e a extensão e cultura como parte da formação do discente da pós-graduação, por meio de parcerias institucionais, ampliando as vivências e o diálogo universidade e sociedade com acesso à cultura.

 

Eixo 4: Política de pessoal: valorização dos servidores públicos e o fortalecimento da comunidade universitária

Objetivo 4.1: DESENVOLVER AÇÕES QUE POSSAM IMPACTAR A QUALIDADE DE VIDA E DE TRABALHO DOS SERVIDORES, ATRAVÉS DE INICIATIVAS DE VALORIZAÇÃO, CAPACITAÇÃO, PROMOÇÃO E PROTEÇÃO À SAÚDE

  • Manter e aprimorar as ações que resultem em um ambiente de trabalho saudável e acolhedor, com relações empáticas e colaborativas para servidores docentes e técnicos, e para trabalhadores terceirizados. Ampliar as possibilidades e fomentar condições estruturais e organizacionais de trabalho;

  • Dar continuidade a implantação da Política de Saúde e Segurança da Comunidade Acadêmica, incluindo as medidas para o retorno seguro no contexto da pandemia da COVID-19, a partir das diretrizes do Comitê de Enfrentamento a pandemia da COVID-19 – CPEC Unifesp;

  • Promover ações de garantia de direitos humanos no ambiente universitário e respeito às diferenças, como a regulamentação sobre normas e procedimentos a serem adotados em casos de assédio moral, sexual e quaisquer formas de preconceito no âmbito da Unifesp;

  • Valorizar a cultura de prevenção, mediação e restauração das relações na resolução de conflitos, com a implantação das Câmaras de Mediação de Conflitos da Unifesp (na Reitoria, nos Campi e no Hospital Universitário), com trabalho em rede, articulado e descentralizado, colaborando para a manutenção de um ambiente organizacional saudável e que os conflitos sejam contornados de forma ágil e justa;

  • Garantir um clima organizacional onde as relações hierárquicas ocorram em clima de cooperação, e que todos e todas tenham noção da importância de sua missão e que sejam valorizados na cadeia organizacional;

  • Desenvolver programas voltados a atenção integral à saúde dos trabalhadores e trabalhadoras, com ênfase na   promoção, vigilância e recuperação da saúde, identificando os principais fatores/agentes de riscos para o planejamento de ações de proteção e controle, garantindo a integralidade do cuidado e a interlocução com as redes de assistência à saúde; 

  • Apoiar a criação de equipes interprofissionais vinculadas ao Departamento de Saúde do Trabalhador para o cuidado da vida funcional, da saúde e do desenvolvimento de servidores;

  • Desenvolver programas voltados para a melhoria do bem estar e qualidade de vida dos servidores, priorizando a atenção integral à saúde dos trabalhadores e das trabalhadoras, com a criação de grupos de acompanhamento de servidores afastados e do retorno ao trabalho; 

  • Avaliar oportunidades e alternativas para adotar o trabalho remoto a partir do diálogo com a comunidade e da experiência durante a pandemia, com estudo aprofundado e debate nas instâncias, considerando as normas regulatórias vigentes e as especificidades dos trabalhos na universidade, equilibrando os interesses dos servidores e as necessidades da instituição;

  • Apoiar as ações para o aprimoramento e qualificação do corpo técnico-adminisgtrativo em harmonia com as demandas de cada área, ampliando as oportunidades, com vagas nos cursos e programas da própria Unifesp ou em outras instituições voltadas para a qualificação e capacitação dos servidores;

  • Ampliar as oportunidades aos servidores TAEs na coordenação de cursos no âmbito da Unifesp, como já ocorre na área de extensão, e participação nos grupos de pesquisa;

  • Buscar recursos orçamentários para a efetiva implementação da política de desenvolvimento de pessoal – PDP Unifesp, incluindo a realização de parcerias internas e externas para atender às demandas de educação formal, abrangendo os cursos de especialização, mestrado e doutorado;

  • Apoiar ações de treinamento e formação continuada através de EAD para fortalecer o desenvolvimento dos servidores nos campi;

  • Aprimorar a política de mobilidade, por meio de editais internos e da implantação das ferramentas de gestão por competências, a fim de ajustar melhor as aptidões dos servidores com as necessidades e exercício das respectivas  funções na universidade;

  • Garantir oferta institucional e sistemática de ações de desenvolvimento docente (formação pedagógica), de maneira integrada entre as Pró-Reitorias fins, buscando o envolvimento e a corresponsabilização dos docentes em seus processos formativos, com adesão voluntária aos seminários, workshops e cursos integrados entre os docentes dos campi;

  • Em conjunto com a Comissão Permanente do Pessoal Docente (CPPD), aprofundar e sedimentar as medidas de valorização do trabalho docente, estruturadas a partir da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão;

  • Em conjunto com a Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação - CIS PCCTAE, promover ações para o desenvolvimento na carreira dos servidores técnicos-administrativos em educação – TAEs;

  • Promover a interação da rede de colaboradores da Unifesp: servidores do quadro permanente, servidores cedidos, empregados terceirizados, professores afiliados, seniores, visitantes e substitutos, estagiários, preceptores, egressos e voluntários.

  • Prosseguir com o acolhimento dos novos servidores e buscar parcerias internas e externas para estimular atividades culturais, artísticas, de diversão/lazer e esportivas; 

  • Assegurar os direitos dos trabalhadores nas pró-reitorias, diretorias, departamentos, coordenações, setores e/ou núcleos com espaços destinados ao diálogo permanente sobre a qualidade de vida e de trabalho que possam ser monitoradas através de indicadores de qualidade; 

  • Garantir e manter a jornada de 30 horas para as categorias onde existe amparo no regramento legal e acompanhamento permanente de ampliação para outros setores, quando possível;

  • Incentivar por meio programas institucionais de fomento à pesquisa e ações de extensão que resultem na promoção de projetos inovadores e de ações cujo tema central seja o bem-estar da comunidade universitária;

  • Implementar ações voltadas à atenção das doenças osteomusculares, com foco de intervenção nos casos indicados a partir de parceria com o serviço de ortopedia (Ambulatório Interprofissional);

  • Apoiar a criação de ambulatórios de atenção ao servidor com restrição funcional ou mental em parceria com Departamento de Ortopedia, Setor de Medicina Esportiva e com o CAISM Unifesp, para diagnóstico, intervenção e reabilitação;

  • Melhorar os fluxos de atendimento do NASF do Departamento de Saúde do Trabalhador de forma integrada ao projeto acadêmico assistencial do complexo assistencial do Campus São Paulo, contemplando as necessidades dos servidores;

  • Estruturar ambulatórios de atenção local à saúde do servidor, nos campi, de maneira articulada com o Departamento de Saúde do Trabalhador, NASF e SESMT, por meio de uma equipe mínima que irá identificar e monitorar os principais problemas de saúde dos servidores, visando implementar ações de promoção e proteção à saúde.

Objetivo 4.2:  DEFENDER O SERVIÇO PÚBLICO E AS CARREIRAS DE ESTADO NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE E PROMOVER MELHORES CONDIÇÕES DE TRABALHO E DE CONVIVÊNCIA DEMOCRÁTICA EM CONTEXTO DE CRISE

  • Lutar contra os cortes orçamentário e qualquer retrocesso nos direitos dos servidores públicos;

  • Defender ativamente a manutenção da autonomia universitária e atuar pela constante valorização da Universidade e do serviço público;

  • Manter o diálogo aberto com os servidores, construindo ações junto às representações de classe, sindicatos e coletivos, com vistas à preservação da Universidade pública, socialmente referenciada e de qualidade.

Objetivo 4.3:  FORTALECER A REDE DE GESTÃO COM PESSOAS NA UNIFESP E AS MEDIDAS DE TRANSPARÊNCIA E DE PARTICIPAÇÃO NA GESTÃO COM PESSOAS

  • Fortalecer as Divisões de Gestão com Pessoas nos campi e no Hospital Universitário, capacitar suas equipes multiprofissionais para o cuidado da vida funcional, da saúde e do desenvolvimento de servidores, com diálogo e escuta, e consolidar a Câmara Técnica de Gestão com Pessoas coordenada pela Pró-Pessoas;

  • Adotar um plano permanente de reestruturação de vagas, pactuado e publicizado, de forma a reduzir as disparidades entre as áreas acadêmica e administrativa e entre os campi, de forma gradual e considerando suas especificidades; 

  • Aprofundar a transparência aos processos funcionais de servidores, assim como promover a comunicação de utilidade pública e transparência ativa da atuação institucional para visibilidade aos projetos desenvolvidos pelos servidores na Unifesp;

  • Descentralizar as ações de treinamento e formação continuada para fortalecer o desenvolvimento dos servidores nos campi e no Hospital Universitário, conforme previsto na política de desenvolvimento de pessoal - PDP Unifesp;

  • Promover melhorias constantes na gestão com pessoas a partir dos diagnósticos de informações do sistema de integridade da Unifesp e do atendimento às recomendações dos órgãos de controle interno e externo;

  • Aperfeiçoar a política de comunicação entre Pró-Pessoas e a comunidade universitária, a fim de construir relações com regras claras e comunicação fluida, não burocrática, favorecendo o ambiente saudável e respeitando as singularidades. 

  • Consolidar e aprimorar a Pró-Reitoria de Gestão com Pessoas - ProPessoas e o Conselho de Gestão com Pessoas - ConPessoas, como instâncias responsáveis pela coordenação, articulação e execução em rede das políticas voltadas para os(as) nossos(as) servidores junto aos Campi.

 

Eixo 5: Projeto acadêmico: indissociabilidade ensino, pesquisa, extensão e cultura, internacionalização e o sentido público da universidade pública

Objetivo 5.1: ARTICULAR O PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL - PPI, O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL – PDI UNIFESP 2021-2025 E OS PROJETOS ACADÊMICOS DOS CAMPI/UNIDADES UNIVERSITÁRIAS E SEUS PROGRAMAS DE GRADUAÇÃO, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA 

  • Implementar o Projeto Pedagógico Institucional – PPI e, no caso de revisão dos projetos dos Campi e dos Cursos, garantir a indissociabilidade entre ensino, pesquisa, extensão e cultura, para favorecer uma formação crítica, autônoma, inovadora e ética, em diálogo com a sociedade;

  • Implementar o Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI Unifesp, elaborado com ampla participação da comunidade acadêmica, discussão e aprovação nas diversas instâncias universitárias, indicando as diretrizes, metas e ações a serem implementadas, acompanhadas e monitoradas em caráter de prioridade na instituição;

  • Aprofundar a adoção de metodologias e enfoques problematizadores, baseados em casos reais, que estimulem os conhecimentos teórico, empírico e experimental integrado e práticas de avaliação qualitativas de diagnóstico, a cultura da evidência científica, e de ajuste constante do processo de ensino e aprendizagem;

  • Estimular processos de ensino e aprendizagem de forma colaborativa, e trabalhar pelo desenvolvimento de docentes, técnicos-administrativos em educação e discentes na qualificação para uso das tecnologias digitais como apoio ao ensino presencial;

  • Aprimorar os programas de iniciação a docência (PIBID, RP); fortalecimento dos projetos institucionais, com aumento de interação entre os programas (PIBIC, monitoria, PET);

  • Implantar a política de formação continuada de docentes da Unifesp, fortalecendo as ações em parceria entre a Prograd  e o Departamento de Desenvolvimento e Gestão de Pessoas - DDGP/Pró-Pessoas;

  • Fortalecer as ações de formação de TAEs que atuam no apoio à graduação;

  • Intensificar a institucionalização das estratégias de avaliação e acompanhamento dos projetos pedagógicos, em conjunto com o Escritório de Dados Estratégicos – EDados;

  • Fortalecer a atuação em rede das câmaras de graduação, de pós-graduação, de extensão e cultura, os NAEs, os NAIS nos Campi, e ampliar o suporte institucional para a tomada de decisões fundamentadas, valorizando os processos de participação democrática;

  • Intensificar a interação interdisciplinar entre os campi na área da graduação e pós-graduação; ampliar as Unidades Curriculares - UC multicampi; criar fóruns de discussão por área e entre áreas (como os fóruns da saúde, meio ambiente,  das licenciaturas, dos bacharelados interdisciplinares);

  • Dar continuidade e fortalecer as atividades de Extensão e Cultura e atividades com movimentos sociais e escolas públicas da região;

  • Dar continuidade e fortalecer o Congresso Acadêmico da Unifesp no calendário universitário anual, e promover debates nacionais e internacionais, eventos intercampi e publicações sobre o sentido público da Universidade Pública, da Ciência e os desafios específicos da Unifesp no século XXI; e no cenário da pandemia e pós-pandemia da COVID-19;

  • Aprimorar a construção permanente da interlocução entre as matrizes curriculares das Escolas e Institutos, de modo a viabilizar ao estudante o contato com áreas de conhecimento mais amplas que são comuns aos cursos oferecidos e problemas complexos que exigem saberes convergentes;  

  • Apoiar as condições necessárias para as atividades de Graduação em curso; e o início de novos cursos como o de Direito, na EPPEN/Campus Osasco; o bacharelado em Física, no ICAQF/Campus Diadema; a implantação inicial do curso de Geografia, no Instituto das Cidades/Campus Zona Leste; e continuidade ao projeto da licenciatura intercultural indígena em andamento;

  • Finalizar a implantação do Instituto das Cidades como Unidade Universitária, com apoio da Reitoria na estruturação da governança, das instâncias acadêmicas, e das condições necessárias ao seu funcionamento e com estrutura adequada para permanência estudantil; e lutar pela continuidade da implantação do Campus Zona Leste, em implantação, dos cursos previstos no Projeto Político Pedagógico - PPP;

  • Estimular a discussão e a elaboração de propostas inovadoras para a gestão acadêmica da Unifesp, com a criação de espaços, metodologias e instrumentos de gestão de temas e políticas institucionais transversais, por meio de reflexões sobre a indissociabilidade do ensino, pesquisa, extensão e cultura;

  • Aprofundar a estratégia iniciada na atual gestão de reunião das Câmaras de Pós-Graduação e dos Grupos Temáticos que visam integrar os pesquisadores em torno dos temas convergentes de pesquisa, focando projetos integrados e referenciados socialmente;

  • Dar continuidade e ampliar a política de curricularização da extensão e cultura na Unifesp, a partir da diretriz do Plano Nacional de Educação (PNE) de inclusão de 10% de conteúdo da extensão nos currículos da graduação, valorizando a autonomia político pedagógico dos cursos - Programas Político Pedagógicos dos Cursos – PPC;

  • Discutir o modelo de departamentalização, a configuração das unidades acadêmicas, e propor novos arranjos acadêmico-administrativos que favoreçam a convergência, sem descuidar dos aspectos operacionais;

  • Favorecer a circulação e o convívio entre professores e estudantes de cursos distintos, por meio de mapas de redes temáticas, plataformas de “letramento institucional" “on line”; plataformas de integração entre ensino, pesquisa, cultura e extensão intercampi, além de eventos conjuntos;

  • Intensificar as propostas de ensino voltadas às questões étnico-raciais e ampliar a política afirmativa de ingresso de refugiados na graduação;

  • Estabelecer política de acompanhamento do egresso pautada em dois eixos centrais: reconhecimento e avaliação da inserção profissional, programas e pesquisas da Unifesp e participação dos egressos na vida da instituição ampliando a responsabilidade pela sua formação permanente;

  • Fortalecer a política de formação inicial de professores para a Educação Básica;

  • Dar continuidade aos debates internos e a produção de diretrizes fundamentais para a formação de professores na instituição, por meio do Comitê Gestor de Formação Inicial e Continuada de Professores da Educação Básica (Comfor), fortalecendo essa instância de articulação;

  • Aperfeiçoar de forma permanente as diretrizes que orientam os projetos pedagógicos de cada curso de licenciatura e de pós-graduação e que também possam servir de subsídio para a análise das políticas educacionais e de formação de professores.

Objetivo 5.2:  ENFRENTAR AS DESIGUALDADES NA UNIVERSIDADE E FORTALECER A AGENDA ANTIRRACISTA, DE IGUALDADE DE GÊNERO, DE DIVERSIDADE SEXUAL, E A INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DE FORMA TRANSVERSAL E ESTRUTURANTE NA UNIFESP 

  • Promover as ações necessárias junto às instâncias universitárias para o reconhecimento oficial e a tomada de providências para a reparação, promoção, prevenção e defesa das violações aos direitos humanos no âmbito da instituição;

  • Fortalecimento dos canais de denúncia e apuração e criação de canais de atendimento, escuta, acolhimento e acompanhamento de vítimas de racismo, discriminação e preconceito, violência de gênero, assédio, e outras formas de violações aos direitos humanos ocorridas na instituição;

  • Cumprir a sua função de produzir conhecimento, por meio do ensino, pesquisa e extensão, de forma comprometida com a garantia, promoção e defesa dos direitos de todos os sujeitos, em suas múltiplas dimensões, abrangendo os direitos civis, políticos, sociais, econômicos, culturais e ambientais;

  • Desenvolver, a partir da perspectiva dos direitos humanos, uma formação crítica, autônoma, inovadora e ética;

  • Continuar a promover a articulação dos grupos de estudos, extensão e pesquisa, de caráter multidisciplinar e intercampi sobre a temática, assim como realizar fóruns itinerantes, online e intercampi como uma forma de ampliar seu alcance, apoiados em tecnologias de informação e comunicação;

  • Promover seminários sistemáticos sobre questões de gênero e sexualidade;

  • Ampliar a oferta de cursos de extensão, disciplinas eletivas, capacitação para servidores (técnicos e docentes), especialmente por EaD, como tem sido feito;  

  • Manter uma relação de reciprocidade com a sociedade, a partir da criação e difusão cultural, incentivo à pesquisa, colaboração na formação continuada de profissionais e divulgação dos conhecimentos culturais, científicos e técnicos produzidos por meio do ensino e das publicações;

  • Atuar junto aos movimentos sociais e organizações da sociedade civil no combate a qualquer forma de violação de direitos da pessoa humana e na promoção de uma cultura de direitos humanos;

  • Promover o reconhecimento de saberes populares e tradicionais, por meio da certificação de suas lideranças e atuação dessas no espaços e ações formativas na Universidade;

  • Fortalecer, em diálogo permanente na comunidade universitária, a agenda antirracista, de igualdade de gênero, diversidade sexual, e inclusão das pessoas com deficiência na Unifesp, com tratamento prioritário no âmbito da Reitoria e em articulação com os Campi e Unidades Universitárias, tendo como compromissos:

 

I. IGUALDADE RACIAL

a) o aprimoramento das ações afirmativas (na pós-graduação, no quadro funcional, nos espaços de poder), visando à efetiva implementação das Leis 10.639/2003, 11.645/2008 e 12.288/2010;

b) implantação de espaço institucional para promoção da igualdade racial e enfrentamento ao racismo estrutural na estrutura administrativa da Unifesp como tema prioritário na pauta de discussão da “Mesa Permanente de Articulação e Diálogo entre a Reitoria e as Diretorias dos Campi e das Unidades Universitárias” e junto à comunidade;  

c) desenvolvimento de um letramento racial como parte do letramento institucional de forma contínua e permanente, e de uma política antirracista na universidade;

d) fortalecimento das Bancas de Heteroidentificação Etnico-racial na matrícula de ingressantes recentemente implantadas; ampliação de estratégias para garantir o uso das cotas étnicorraciais no ingresso dos cursos de graduação, pelas pessoas de direito, de acordo com a Lei 12.711/2012; e continuidade na execução dos fluxos e procedimentos para a averiguação de denúncias recebidas sobre possível irregularidade no ingresso, envolvendo as cotas étnicorraciais;

e) continuidade do Curso Permanência Estudantil e os marcadores sociais da diferença, e de Seminários anuais sobre racismo;

f) a promoção de programas e projetos interdisciplinares, multidisciplinares e intercampi, em articulação com os demais núcleos, cátedras e coordenadorias da Unifesp e em parceria com os Ministérios da Saúde e com Secretarias Municipais, para o combate ao racismo estrutural, à violência contra negros e indígenas e à xenofobia;

g) desenvolvimento de programas de formação para fomentar o acesso de pessoas pertencentes às comunidades quilombolas e comunidades indígenas na universidade;

h) formação de professores, gestores e servidores públicos, em geral, em educação para as relações étnico-raciais;

i) formação de profissionais da área de saúde para atuarem na perspectiva do cuidado da saúde de pessoas negras e indígenas;

j) fortalecimento institucional do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros - NEAB Unifesp;

k) estabelecimento das prerrogativas da Lei 10.639/03 e acompanhamento da implementação nos cursos de graduação; 

l) desenvolvimento de programas, projetos e pesquisas que contribuam para a consolidação da Política Nacional de Saúde Integral para a População Negra e da Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas; e

m) apoiar permanentemente a pesquisa, o ensino e ações extensionistas que promovam a igualdade racial.

 

II. INCLUSÃO SEXUAL E DE GÊNERO

a) fortalecimento da Comissão de Diversidade Sexual e de Gênero na Unifesp;

b) aprimoramento das ações de igualdade de gênero (na pós-graduação, no quadro funcional, nos espaços de poder);  

d) acompanhar o uso do nome social em todas as instâncias da Unifesp e do Hospital Universitário; 

e) implementação de ações previstas na carta de princípios sobre a diversidade sexual e de gênero;

f) realização anual do Fórum LGBTQIA+

III. ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO

a) implantação e acompanhamento da Política de Acessibilidade e Inclusão da Unifesp;

b) fortalecimento da Câmara Técnica de Acessibilidade e Inclusão (CTAI) e dos Núcleos de Apoio e Inclusão (NAIs) em cada Campus;

c) realização de Seminários sobre acessibilidade e inclusão para toda comunidade;

d) aprimoramento das questões sobre acessibilidade do formulário de perfil de estudantes ingressantes;

e) ampliação do número de intérpretes de libras e aprimoramento no formato e estrutura do trabalho;

f) formação docente para aulas mais inclusivas e uso de linguagem adequada na comunicação com pessoas com deficiência audiovisual.

Objetivo 5.3:  ENFRENTAR OS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DA FORMAÇÃO, DA PESQUISA (DEFESA DA CIÊNCIA NO CONTEXTO DA PANDEMIA DA COVID-19), PLATAFORMAS MULTIUSUÁRIOS, PROGRAMAS INTERDISCIPLINARES

  • Implantar, fortalecer e ampliar projetos de pesquisa estruturantes estimulando a integração entre áreas e os temas de convergência, a partir das especificidades dos diferentes campos do conhecimento e a da diversidade dos programas e sua autonomia;

  • Dar maior visibilidade aos grupos de pesquisa que já trabalhem com a visão convergente e incentivar institucionalmente os programas interdisciplinares, visando cada vez mais o trabalho colaborativo em rede;

  • Fortalecer o Instituto de Estudos Avançados e Convergentes – IEAC Unifesp como órgãos complementar com ação dirigida para estudos convergentes; e mobilizar outros temas convergentes de pesquisa, como na Economia, Políticas Públicas, Políticas Sociais, Direitos Humanos, Cidades e Sustentabilidade, Ciências do Oceano, Inovação Tecnológica e Social;

  • Atuar pela pela valorização dos atuais e novos programas interdisciplinares multicampi junto às agências de avaliação e fomento e internamente pela Unifesp;

  • Dar continuidade aos projetos de abertura do Mestrado Acadêmico em Cidades e Política, Mestrado Acadêmico em Direito, Mestrado Acadêmico em Física, Doutorado Profissional em Inovação Tecnológica, Mestrado Profissional em Alimentação Escolar, e Mestrado Profissional em Enfermagem;

  • Lutar por recursos e parcerias para promover as condições de infraestrutura para as atividades de pesquisa e experimentação, atuando em parceria com os campi e grupos de pesquisa;

  • Dar continuidade as ações de desburocratização de fluxos institucionais e implementação de sistema de informações acadêmicas na pós-graduação e pesquisa junto à STI Unifesp e investir fortemente no treinamento dos servidores das Pro-Reitorias e das Câmaras, para que o trabalho de ensino, pesquisa, extensão e cultura seja simplificado e integrado;

  • Fortalecer e ampliar o Escritório Institucional de Apoio à Pesquisa, Inovação e Internacionalização – EIAPII, junto com a AGITS Unifesp, para a atuação em rede com os agentes de inovação junto às Diretorias Acadêmicas e Administrativas dos Campi, facilitando o diálogo, a elaboração e o acompanhamento de projetos junto aos pesquisadores nas Escolas, Institutos, e Órgãos Complementares, assim como nas parcerias estratégicas para a Unifesp;

  • Apoiar a implantação e desenvolvimento do Centro de Gestão do Conhecimento e Desenvolvimento em Metodologias Baseadas em Evidência da Unifesp/ Centro Cochrane Brasil / Unidade BEME;

  • Fortalecer e agilizar o sistema de reformas nas áreas dos laboratórios, com procedimentos simplificados e clareza nas atribuições de cada agente, e busca de alternativas como parcerias com instituições governamentais para credenciamento de laboratórios;

  • Ampliar e descentralizar o trabalho do EIAPII criando rede interna de escritórios locais de apoio à pesquisa, internacionalização e inovação (RELAPii) nos campi em articulação com o EIAPII central, de forma a orientar os pesquisadores e os TAEs envolvidos para a busca de recursos nacionais e internacionais para pesquisa e inovação, bem como a formatação e acompanhamento local de projetos;

  • Acompanhar os ambientes da produção convergente de pesquisa, tais como os programas de pós-graduação e os de graduação nos diversos campi, e analisar os mecanismos utilizados por esses ambientes internos;

  • Ampliar a participação da Unifesp no esforço nacional de popularização da pesquisa científica, com a divulgação de suas publicações impressas e digitais;  

  • Consolidar a plataforma unificada para as revistas acadêmicas da Unifesp;  

  • Fomentar o desenvolvimento dos acervos digitais das bibliotecas da Unifesp, a fim de estruturar a base da difusão de acesso cultural e do conhecimento científico entre a comunidade;

  • Aprimorar a política voltada às Plataformas Multiusuários, de maneira a possibilitar a manutenção dos serviços e otimização no uso dos recursos de pesquisa, em parceria com outras universidades públicas.

Objetivo 5.4:  PROMOVER A COOPERAÇÃO E A INTERNACIONALIZAÇÃO EM TEMAS CONVERGENTES, MULTICAMPI E ESTRATÉGICOS, PRODUZINDO AÇÕES DE EXTENSÃO E DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA QUE POSSIBILITEM O INTERCÂMBIO DE CONHECIMENTOS, LUGARES E CULTURAS COM MÚLTIPLA CIRCULAÇÃO DE SABERES, EM ESPECIAL OS DIÁLOGOS SUL-SUL

  • Aprimorar e ampliar a política de internacionalização da Unifesp, aumentando intercâmbios e incentivando a troca de saberes em diferentes áreas;

  • Favorecer a integração de redes nacionais e internacionais pelos grupos de pesquisa da Unifesp;

  • Capacitar paulatinamente os TAEs no uso de diferentes idiomas para aprimorar as relações e o atendimento aos estudantes e pesquisadores estrangeiros;

  • Acompanhar os ambientes internacionalizados de pesquisa, tais como os programas de pós-graduação e os de graduação nos diversos campi, e analisar os mecanismos utilizados por esses ambientes internos;

  • Ampliar visibilidade da Unifesp em termos internacionais por meio de materiais de divulgação em diferentes idiomas, em especial a divulgação de suas publicações impressas e digitais, bem como da produção da Editora da Unifesp;

  • Estabelecer estrategicamente e em conjunto com a AGITS Unifesp as parcerias com instituições e organismos internacionais;

  • Fornecer informações detalhadas e atualizadas para as agências de classificação internacionais de boa reputação;

  • Efetivar e consolidar nossa cooperação científica com universidades de destaque; aumentar o número de estudantes em intercâmbio internacional; promover a mobilidade bilateral de docentes, estudantes e técnicos;

  • Incentivar e ampliar a presença de pesquisadores estrangeiros na Unifesp;

  • Na graduação, incentivar trajetórias de formação mais flexíveis, que possam promover a formação multi e interdisciplinar, humanista e crítica;

  • Estabelecer projetos de desenvolvimento docente em consonância com as inovações curriculares e tecnológicas que venham a ser implementadas;

  • Ampliar o número de programas internacionais conjuntos de pós-graduação e propiciar um maior número de programas pós-graduação em co-tutela, bem como iniciar programa com dupla diplomação na graduação.

Objetivo 5.5:  APERFEICOAR AS DIVERSAS MODALIDADES PEDAGÓGICAS E EDUCACIONAIS, COM DESTAQUE PARA A INSERÇÃO DAS NOVAS TECNOLOGIAS DIANTE DOS DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS E DA PANDEMIA DA COVID-19

  • Dar continuidade e aperfeiçoar a execução da política de educação aberta e à distância, com garantia de local institucional na governança da Universidade;

  • Dotar a universidade de equipamentos, estruturas de informática e conectividade, serviços que apoiem novas metodologias e a adoção das tecnologias digitais, notadamente no contexto da pandemia da COVID-19;

  • Promover discussões permanentes nas instâncias universitárias sobre as estratégias de cursos durante a pandemia, e o retorno para os cursos presencias assim que haja condições de saúde e segurança para os estudantes e servidores;

  • Reavaliar regimentos, estatutos, processos e estruturas acadêmicas e administrativas existentes para contemplar as novas demandas e configurações de cursos que compartilhem destes contextos;

  • Regulamentar as atividades dos professores que atuam nos cursos a distância, computar e validar as horas de docência dedicadas a gestão, ensino, pesquisa e extensão em EaD para a progressão docente;

  • Ampliar a política de formação e capacitação do corpo docente, técnicos administrativos, equipe multidisciplinar para apropriação e reflexão sobre as novas tecnologias, metodologias e abordagens;

  • Estimular a relação integrada das ações neste âmbito com a Secretaria de Relações Internacionais - SRI, AGITS Unifesp, e Coordenadoria de Rede de Bibliotecas – CRBU Unifesp;

  • Estimular a cultura digital, o uso de plataformas e recursos educacionais abertos, materiais didáticos sob licença “creative commons”, em consonância com a premissa da educação como bem público.

Objetivo 5.6:  APRIMORAR CONSTANTEMENTE A AVALIAÇÃO ACADÊMICO-INSTITUCIONAL 

  • Apoiar a Comissão Permanente de Avaliação - CPA nos processos de autoavaliação institucional, de forma integrada com os Campi e Unidades Universitárias, para aprimoramento e consolidação da Unifesp como instituição pública;

  • Colaborar para que os resultados alcançados originários dos processos de avaliação interna e, também, das avaliações externas, sejam amplamente divulgados;

  • Colaborar para que os resultados sirvam de norte à elaboração de planos de melhorias, locais e institucionais, visando à atualização ou à reformulação do PPI e do PDI unifesp, bem como a consolidação de indicadores de qualidade;

  • Continuar comprometidos com o desenvolvimento integral da Unifesp, estimulando os processos de autoavaliação com ampla participação de docentes, estudantes e TAEs e das instâncias universitárias;

  • Promover a cultura de tomada de decisões com base em evidências e avaliações, a partir da análise de resultados de indicadores, com apoio do Escritório de Dados Estratégicos.

 

Eixo 6: Política de inovação tecnológica, social e em políticas públicas: gestão intersetorial e colaborativa 

Objetivo 6.1: IMPLEMENTAR A POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, SOCIAL E EM POLÍTICAS PÚBLICAS NA UNIFESP E PROMOVER A CULTURA DA INOVAÇÃO COM A PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA 

  • Dar continuidade e fortalecer institucionalmente a Agência de Inovação – AGITS Unifesp, para atuação de forma transversal junto às Pró-Reitorias, Gabinete e Superintendências vinculadas à Reitoria, e com trabalho em rede com a participação ativa dos Campi e das Unidades Universitárias no Conselho Estratégico da agência, constituindo um ambiente promotor de inovação na Unifesp;

  • Promover a inovação, o empreendedorismo e o cooperativismo entre os estudantes e empresas júnior, identificando as inovações e sua proteção intelectual, de preferência sem fins lucrativos e de acesso público a todos que dela possam se beneficiar socialmente, como a transferência de tecnologias e formação de parcerias estratégicas que promovam o desenvolvimento social e a sustentabilidade;

  • Promover a gestão de propriedade intelectual, em parceria com a FapUnifesp, coordenar e promover ações de empreendedorismo científico, desenvolvimento do ecossistema interno e ligação com a sociedade, em ações de colaboração para o desenvolvimento de soluções relevantes para o uso da população, tendo como foco a  busca de uma cesta tecnológica prioritária, com desenvolvimentos em áreas de interesse e potencialidade;

  • Apoiar ativamente as atividades de transferência e licenciamento de tecnologias, que funcionam como os pontos de ligação principal entre a universidade e seus agentes inovadores e os atores externos que demandam inovações – sejam eles atores do terceiro setor, líderes de negócios, investidores, negociadores, empresas públicas e privadas, cooperativas populares, governo e a sociedade em geral;

  • Apoiar e buscar parcerias para incubadoras específicas para cada iniciativa, que podem se materializar em diversos espaços como os laboratórios de pesquisa, com compartilhamento de infraestrutura, a partir das ferramentas previstas no marco legal da inovação;

  • Atuar na reformulação do Escritório Institucional de Apoio à Pesquisa, Inovação e Internacionalização – EIAPII, junto com a Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa – PROPGPq, para atuação em rede com os agentes de inovação junto às Diretorias Acadêmicas e Administrativas dos Campi, facilitando o diálogo, a elaboração e o acompanhamento de projetos junto aos pesquisadores nas Escolas, Institutos, e Órgãos Complementares, assim como nas parcerias estratégicas para a Unifesp, como a vinda de novas Unidades Embrapii e laboratórios de inovação;

  • Fortalecer as ações de inovação social e em políticas públicas como a prateleira de inovação com o “selo AGITS”, a partir da PROEC e AGITS Unifesp, tendo como diretrizes o PPI e do PDI Unifesp e a Agenda 2030 das Organizações das Nações Unidas – ONU, em torno dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável - ODS;

  • Estimular métodos, técnicas e pesquisas voltadas às ações governamentais de impacto social, à difusão de conhecimento e de experiências relacionadas às políticas públicas inclusivas e de garantia dos direitos, à cooperação entre agentes governamentais e sociais que levam à melhoria da qualidade das atividades e serviços de natureza públicos e das relações de participação e de transparência em uma sociedade democrática e justa;

  • Fomentar ações e pesquisas voltadas à inclusão social e produtiva, como o cooperativismo e associativismo e a economia popular e solidária, à difusão e aplicação de saberes plurais, à cooperação entre diferentes campos da ciência numa relação equânime entre conhecimentos socialmente acumulados e inovação;

  • Dar continuidade ao Grupo de Estudos coordenado pelo AGITS Unifesp, mobilizando os debates, a uniformização de entendimentos, e estratégias para a implementação do marco legal da ciência, tecnologia e inovação – MCTI, como os pareceres referenciais sobre confidencialidade e acordos de parceria, com participação da Procuradoria Jurídica, do Gabinete, e das Pró-Reitorias; 

  • Criar e implementar fluxos específicos (“Corredor da Inovação”), com sistemática de monitoramento, para os Acordos de Parceria para desenvolvimento, pesquisa e inovação previstos no MCTI, para garantir maior fluidez, agilidade e gestão estratégica dos projetos acadêmicos de inovação tecnológica, social e em políticas públicas, em ação integrada da Reitoria com os Campi, Unidades Universitárias e Órgãos Complementares, e em parceria com a FapUnifesp na gestão de projetos;

  • Aprofundar a implementação dos Projetos Acadêmicos de Prestação de Serviço – PAPS na Unifesp, ampliando o escopo de atuação para os equipamentos multiusuários da Unifesp e em colaboração com outras universidades públicas em articulação no ecossistema de inovação;

  • Articular a partir da AGITS Unifesp o Pólo de Inovação Tecnológica e Social em Saúde da Unifesp junto ao Campus São Paulo, EPM, EPE e outras Unidades Universitárias, abrangendo o ensino, pesquisa, extensão e assistência,  e envolvendo a participação da FapUnifesp e de parceiros estratégicos da Unifesp, tendo como foco o desenvolvimento do Sistema Único de Saúde - SUS;

  • Desenvolver estudos e implementar ações intersetoriais entre Propessoas e AGITS no âmbito do Plano de Desenvolvimento de Pessoas – PDP, buscando aprofundar as ações de capacitação em inovação e desenvolver parcerias como o Laboratório de Inovação em Governo da Escola Nacional de Administração Pública – Gnova/ENAP, com o propósito de desenvolver soluções inovadoras em gestão de pessoas para melhorar a experiência do servidor e gerar valor público no âmbito do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal – SIPEC;

  • Estimular a inovação na comunidade acadêmica da Unifesp, com professores, pesquisadores e estudantes cuja pesquisa, resultando em inovação, poderá, finalmente, em um sistema bem concatenado, desaguar em incubadoras de empresas e de cooperativas de base tecnológica ou ser transferida para organizações estabelecidas nos setores público e privado e em ONGs;

  • Promover a cooperação com parques tecnológicos e acordos de parceria em inovação e sustentabilidade advindas de áreas periféricas das cidades ou regiões em que a Unifesp atua;

  • Promover a cultura da inovação no dia a dia da Universidade, na ação que acontece na sala de aula, no centro cirúrgico, nos laboratórios e corredores das Escolas e Institutos nos Campi, tendo a atuação da AGITS Unifesp a função de encontrar meios, buscar fluidez ao trabalho, oferecendo e ampliando conexões, projetos ousados, espaços inusitados de produção, soluções inovadoras para a gestão universitária e novos modos de articulação com a sociedade;

  • Promover debates e conexões para buscar diálogo, troca de experiências e convergência de visões entre atores públicos e privados, a partir do interesse público, olhando a inovação como uma só, independentemente de ser balizada por patentes, registros abertos ou oferta direta;

  • Ampliar a divulgação e mobilização em torno da agenda de inovação, dando continuidade ao “AGITS day”, oficinas de inovação e o PodCast AGITS, além da “newsletter” e reconfiguração do site, com previsão de área de recebimento de demandas diretas da sociedade, a serem trabalhadas a partir dos estudantes;   

  • Trabalhar a preparação dos pós-graduandos para apresentar agentes sociais e comunitários material recém produzido por ocasião dos mestrados e doutorados, conectando o profundo conhecimento gerado na universidade;

  • Aprofundar a conexão com outras instituições como a Fapesp, UNIPAMPA, USP, UFABC, UNICAMP, ITA, UNESP, UFMG, ANPEI, ANPROTEC, entre outras, nas patentes em co-titularidade, colaborações para desenvolvimento tecnológico e desenvolvimento docente e discente.

  • Fortalecer a relação universidade e setor produtivo, com empresas de diferentes setores de atividade, empreendimentos produtivos e coletivos que atuam segundo princípios da inclusão social e da sustentabilidade socioambiental, beneficiando-se das pesquisas universitárias e consequentes inovações tecnológicas e seus respectivos impactos positivos na sociedade;

  • Inovar em políticas públicas, produtos, processos e serviços de atendimento à população, área fundamental da inovação em universidades públicas, pois envolve programas de cooperação com o Estado brasileiro, em todos os níveis, outros centros de pesquisa, ONGs e movimentos sociais que atuam em políticas públicas;

  • Atuar de forma colaborativa em parceria com o poder público para testar prioritariamente plataformas virtuais de pré-incubação, assim como desenvolver colaborações com o SEBRAE, intensificando iniciativas de cooperação;

  • Inovar em tecnologias sociais e economia solidária, integrando redes nacionais já existentes para inovação em tecnologias sociais, apropriadas e autogeridas pelos trabalhadores, nas quais estes detêm controle e propriedade dos meios de produção, processos, técnicas e produtos, fomentando a ampliação da economia social, cooperativista e solidária.

 

Eixo 7: Hospital Universitário da Unifesp: projeto acadêmico assistencial e articulação do complexo em saúde da Unifesp

Objetivo 7.1: AMPLIAR O PAPEL ESTRATÉGICO DO HOSPITAL SÃO PAULO – HSP/HU UNIFESP E DO COMPLEXO ASSISTENCIAL SITUADO NO CAMPUS SÃO PAULO NO SISTEMA DE SAÚDE, PARA GARANTIR ASSISTÊNCIA QUALIFICADA PARA OS USUÁRIOS DO SUS EM HARMONIA COM A FORMAÇÃO ACADÊMICA, PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO E AÇÕES DE EXTENSÃO INTEGRADAS COM ÁREAS DE CONHECIMENTO CORRELATAS 

  • Buscar a ampliação dos recursos de custeio e de investimento necessários para que o HSP/HU possa prestar com eficiência os serviços contratados com a Secretaria Estadual da Saúde - SES e ampliar convênios com a Secretaria Municipal da Saúde - SMS e com o Ministério da Saúde - MS para melhoria contínua da infraestrutura, equipamentos e renovação tecnológica;

  • Pactuar e reestruturar a relação do Hospital com instituições de saúde prestadoras de serviço integrados à Unifesp e gestores da região que possibilitem ampliar a oferta de recursos, além de apoiar na formação na graduação e residências em outros cenários de práticas;

  • Fortalecer a pactuação com os gestores SUS em âmbito federal, estadual e municipal e junto ao MEC, a partir da discussão junto à comunidade sobre a sustentabilidade do HSP/HU e do HU-2, governança e gestão estratégica para a realização de sua missão e finalidade acadêmico-assistencial como Hospital Universitário da Unifesp;

  • Aprofundar a participação das Escolas no planejamento acadêmico para as atividades no HSP/HU e nos hospitais afiliados, incluindo o diálogo com residentes médicos(as) e multiprofissionais, estudantes da pós-graduação lato sensu da Unifesp, no processo de gestão, a fim de qualificar o ensino, a educação em saúde, e a gestão, com transparência e com a promoção da cultura da evidência científica na tomada de decisões relacionadas ao binômio planejamento e orçamento;

  • Qualificar a gestão acadêmico-assistencial do HSP/HU, conforme modelo de governança pactuado no Acordo Unifesp-SPDM 2020-2025, com a Diretoria da Unidade Gestora Unifesp atuando junto à Superintendência do hospital possibilitando o aprimoramento e modernização constantes da gestão e estabelecendo planos de metas que possam ser auditados em cada ciclo de gestão;

  • Consolidar a implantação do Hospital Universitário HU-2, Hospital Dia da Unifesp, com a verticalização dos ambulatórios da EPM-EPE no edifício e integração acadêmico assistencial e a redução dos custos do Campus com aluguéis, através da organização assistencial e de fontes de recursos que garantam sua sustentabilidade e a contratualização como unidade 100% SUS;

  • Consolidar a governança para que o HU-2 funcione como hospital público habilitado para receber incentivos como o REHUF, considerando sua relevância para o ensino, pesquisa e extensão, e seu papel para a reorganização de serviços prestados pelo HSP/HU e pelas demais estruturas de assistência vinculadas à EPM, EPE / Campus São Paulo, e ao ISS / Campus Baixada Santista;

  • Rediscutir com as instâncias acadêmicas e pactuar junto à Secretaria Estadual de Saúde - SES e Secretaria Municipal de Saúde - SMS o papel do complexo assistencial na Rede de Atenção à Saúde e pactuar um sistema de referência e contra referência no sistema de saúde, reorganizando seu perfil assistencial, o fluxo e o referenciamento dos pacientes atendidos;

  • Trabalhar para ampliar a capacidade de atendimento do Pronto Socorro do HSP/HU, entendendo que sua característica porta aberta é de suma importância para o sistema de saúde e para o projeto acadêmico-assistencial como hospital escola;

  • Qualificar a atenção aos servidores públicos lotados no HU Unifesp, garantindo as condições de saúde e respeitando as especificidades de cada área, com atenção especial no contexto da atuação na linha de frente do enfrentamento a pandemia COVID-19, com apoio do Comitê Permanente de Enfrentamento a Pandemia - CPEC Unifesp  e do Conselho Estratégico HSP/HU - ConsEHSP;

  • Implantar a Câmara de Mediação de Conflitos no Hospital Universitário da Unifesp, como espaço de prevenção, mediação e restauração das relações na resolução de conflitos, integrado ao trabalho em rede, colaborando para a manutenção de um ambiente organizacional saudável e que os conflitos sejam contornados de forma ágil e justa, de forma articulada com a Ouvidoria da Unifesp como porta de entrada de denúncias e acesso a informação;

  • Apoiar a implantação do Núcleo de Regulação Interna - NIR, multidisciplinar, para aperfeiçoar a regulação de acesso, a gestão de leitos/procedimentos, agilizar as transferências intra-hospitalares e programação de altas de pacientes, de forma a garantir a retaguarda necessária de toda a nossa instituição, visando a melhoria da qualidade de assistência prestada ao usuário, reduzindo ao máximo o número de pacientes em macas e acelerar a resolução dos problemas enfrentados pelo Pronto Socorro e demais áreas assistenciais do Hospital Universitário;

  • Fortalecer o HSP/HU, o HU-2 e os espaços de educação em saúde como espaços educativos, por meio da comunicação e cultura dos direitos humanos, mobilizando a Unifesp e integrando a rede de parceiros nas campanhas públicas relacionadas, por exemplo, ao combate ao abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes; ao enfrentamento ao racismo, ao machismo e à homofobia; combate ao assédio moral e sexual, ao atendimento de mulheres vítimas de violência sexual; e prevenção ao suicídio;

  • Ampliar os mecanismos de transparência e controle social para a gestão do HSP/HU, a exemplo do que foi feito com a gestão da Universidade;

  • Dar continuidade ao Centro de Atenção Integrada a Saúde Mental – CAISM Unifesp junto ao SUS e à Rede de Atenção Psicossocial do município de São Paulo, intensificando seu trabalho conjunto com os CAPS e as unidades da atenção primária, e fortalecer as ações acadêmico-assistenciais nas áreas de ensino, pesquisa, extensão, cultura e inovação;

  • Articular junto ao Departamento de Saúde do Trabalhador o atendimento hospitalar dos servidores com fluxos de acolhimento e resolutividade;

Objetivo 7.2: FORTALECER O COMPLEXO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIO DA UNIFESP COMO UM PROJETO ACADÊMICO-ASSISTENCIAL EM INTERFACE COM AS POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE, EDUCAÇÃO, CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

  • Integrar o Planejamento Estratégico do HSP/HU com o PPI e PDI Unifesp, aprofundando o processo de implementação do Plano Diretor do Campus São Paulo e de novas unidades de assistência, como os Institutos de Oncologia e de Longevidade que vierem a ser implantadas;

  • Valorizar o planejamento estratégico e a gestão participativa através do Conselho Estratégico do HSP/HU – ConsEHSP e do Comitê de Ensino, Pesquisa e Extensão – COEPE, por meio do diálogo entre as instâncias acadêmicas da Unifesp com o HSP/HU em torno das ações, projetos e parcerias na área de ensino, pesquisa, extensão e assistência; 

  • Desenvolver a política de gestão da pesquisa clínica no âmbito da Unifesp, junto ao Campus São Paulo, EPM, EPE e outras unidades universitárias, por meio da articulação da PROPGPq e interface com o HSP/HU, HU-2 e as demais unidades assistenciais, estabelecendo a relação com os projetos patrocinados pela indústria farmacêutica e de dispositivos médicos, o fluxo de recursos financeiros e sua relação com o projeto acadêmico assistencial HU-Unifesp e o interesse público;

  • Aprimorar as pesquisas clínicas no Hospital Universitário e do complexo em saúde da Unifesp;

  • Desenvolver o projeto do Pólo de Inovação Tecnológica e Social em Saúde da Unifesp junto ao Campus São Paulo, EPM, EPE e outras Unidades Universitárias, por meio da articulação da AGITS Unifesp, abrangendo o ensino, pesquisa, extensão e assistência,  e envolvendo a participação da FapUnifesp e de parceiros estratégicos da Unifesp;

  • Desenvolver projetos acadêmico-assistenciais multicampi, intersetoriais, a partir do Comitê de Ensino, Pesquisa e Extensão - COEPE, da EPM e da EPE junto às Unidades Universitárias e Órgãos Complementares, e buscar a captação de recursos junto às agências de fomento e parcerias público-público e público-privadas, com a prevalência do interesse público.

 

Eixo 8: Governança democrática e participativa: a integração entre a Reitoria, os Campi e as Unidades Universitárias

Objetivo 8.1: PROMOVER UM AMBIENTE DE ARTICULAÇÃO, DIÁLOGO E DE TRABALHO COLABORATIVO ENTRE A REITORIA, OS 7 CAMPI E AS 9 UNIDADES UNIVERSITÁRIAS DA UNIFESP 

  • Criar a Mesa de Articulação e Diálogo Permanente entre a Reitoria e as Diretorias dos Campi e das Unidades Universitárias, com a realização de reuniões mensais para monitoramento de ações, projetos prioritários e para a discussão de temas de interesse geral da universidade, e sistemática de sreuniões mensais específicas com cada Campus e Unidade(s) Universitária(s) para os temas em âmbito local;

  • Dar continuidade à atuação da Reitoria junto aos Campi e às Unidades Universitárias nas medidas de proteção à saúde da comunidade e para o retorno seguro, seguindo as orientações do Comitê de Enfrentamento da pandemia COVID-19 - CPEC Unifesp, assim como implementar  as ações  nas áreas da Reitoria;

  • Desenvolver o Painel de Acompanhamento e Monitoramento do Plano Pedagógico Institucional – PPI e do Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI 2021-2025;

  • Buscar a ampliação dos recursos de custeio e de investimento necessários para os projetos acadêmicos e de infraestrutura por meio da articulação da Reitoria junto aos Campi, às Unidades Universitárias e aos interlocutores nos Departamentos para articular e garantir a vinda de recursos orçamentários de emendas parlamentares para a Unifesp, e outras formas de captação.   

Objetivo 8.2: APROFUNDAR OS MECANISMOS DE GESTÃO DE DEMOCRÁTICA, PARTICIPATIVA, INOVADORA, COM TRANSPARÊNCIA, CONTROLE SOCIAL, INTEGRIDADE PÚBLICA E SEGURANÇA JURÍDICA

  • Desenvolver a política de participação democrática no âmbito da Unifesp, com o objetivo de fortalecer e articular os mecanismos e as instâncias democráticas de diálogo e a atuação conjunta, garantindo a continuidade dos avanços recentes, a qualificação e a ampliação dos mecanismos de escuta, diálogo e de participação como método de gestão universitária;

  • Aprofundar os mecanismos e metodologias de participação democrática nas etapas do ciclo de planejamento e orçamento público, com ação conjunta da Reitoria, dos Campi e Unidades Universitárias, conforme formato institucional e competências das instâncias e dos órgãos previstos no Estatuto e no Regimento Geral da Unifesp;

  • Promover debates permanentes e propostas para o aprimoramento da gestão democrática e da participação dos servidores no âmbito dos setores da Universidade;   

  • Garantir a continuidade dos avanços recentes na composição da Equipe da Alta Gestão com a presença de servidores docentes e TAEs, representação multicampi, com diversidade de etnia, raça, cultura, geração, origem, sexo, orientação sexual, religião e condição social, econômica ou de deficiência, para aprofundar construção de valores de cidadania e de inclusão social no dia a dia da gestão pública;

  • Configurar o perfil da Equipe da Gestão de acordo com a agenda programática proposta à comunidade e com as necessidades de cada área, em especial as Pró-Reitorias, que impactam diretamente nas rotinas e no cotidiano de trabalho dos servidores da Reitoria junto aos Campi;

  • Dar continuidade aos avanços dos trabalhos da Ouvidoria da Unifesp, garantindo o direito à informação, à transparência e ao controle social, e promovendo o encaminhamento, tratamento adequado e apuração de denúncias no âmbito da instituição, garantindo direitos e o devido processo legal;

  • Intensificar as estratégias de ações para a prevenção e tratamento dos conflitos no âmbito da Universidade diante do contexto de crises, com a formação e capacitação profissional para a mediação e outras respostas buscando  garantir um ambiente saudável; 

  • Consolidar o sistema de integridade pública da Unifesp, apoiando o trabalho articulado realizado nas diversas instâncias: Unidade de Gestão da Integridade, Câmara de Juízo de Admissibilidade - CJA, Câmaras de Conciliação e Mediação de Conflitos, Comissão de Ética Pública - CEPública, Auditoria Interna – AUDIN, Procuradoria Jurídica, Ouvidoria, Comissão Processante Permanente - CPP, Câmara Recursal; Comissão Educacional do Corpo Estudantil, e Comitê de Governança, Riscos e Controle;

  • Zelar para que o sistema de integridade pública da Unifesp seja respeitado, de modo a prevenir fraudes, corrupção e favorecimentos;

  • Aprimorar a comunicação e a articulação entre as bibliotecas das unidades por meio da padronização de processos e fluxos de trabalho integrados à CRBU por meio de sistemas digitais;

  • Criar uma identidade para a rede das bibliotecas e melhorar a comunicação dos serviços digitais oferecidos por meio de sites, emails e redes sociais, aprimorando os treinamentos e  atendimentos de apoio à pesquisa e uso das ferramentas de informação como plataformas de livros, catálogos, repositórios e outras bases de dados.

Objetivo 8.3: REALIZAR AÇÕES DE PLANEJAMENTO, EXECUÇÃO, E ACOMPANHAMENTO DOS PROJETOS DE INFRAESTRUTURA EM ANDAMENTO NA UNIFESP

  • Garantir a finalização das obras em andamento como prioridade institucional, cumprindo cronogramas e reduzindo aditivos, e realizar as obras dos projetos executivos já desenvolvidos, a partir da definição coletiva de prioridades junto aos Campi e Unidades Universitárias, com a melhor qualidade de execução e fiscalização, buscando recursos orçamentários para realizar obras, construir viabilidade e buscar parcerias e captação de recursos;

  • Apoiar os Campi na elaboração e implementação dos Planos de Infraestrutura – PDInfra locais, construídos nos Campi de forma participativa, com apoio de empresas de projeto e planejamento com a previsão de cenários de 5, 10 e 20 anos, e acompanhar os projetos prioritários e parcerias estratégicas;

  • Garantir o respeito e priorização aos planejamentos de infraestrutura nas definições de aplicação de recursos de investimentos; e implementar programa de avaliação contínua dos processos administrativos;

  • Dar continuidade aos trabalhos da Câmara Técnica de Infraestrutura e das Mesas Técnicas Proplan-Campi, constituída pelas Divisões de Infraestrutura dos campi, para definição de políticas de área, capacitação e integração de servidores, e desenvolvimento de trabalho em cooperativo, com agilidade para equacionar e buscar as soluções dos problemas cotidianos de infraestrutura, além de organizar e atualizar o planejamento já realizado e a realizar de novas infraestruturas da Unifesp, em conjunto com os Campi, seus conselhos/congregações e comissões de espaços físicos;

  • Realizar uma gestão proativa do patrimônio imobiliário, reduzindo alugueis, melhorando aproveitamento de áreas, cumprindo a função social do terrenos e imóveis da universidades, avaliando a possibilidade de cooperações, permutas e gestão imobiliária com parceiros.

  • Dar continuidade a divulgação das ações e dos processos de infraestrutura, com o andamento das obras, das readequações de espaços físicos, e do banco de dados e documentações de imóveis da Unifesp, visando sempre as melhores e mais seguras condições de trabalho à toda comunidade;

  • Realizar discussões sobre a organização da distribuição de espaços físicos do campus, estimulando o máximo aproveitamento das estruturas físicas e de equipamentos disponíveis;

  • Dar seguimento a regularização de imóveis junto às áreas de infraestrutura dos Campi e aos órgãos competentes, com suas adequações a bombeiros, acessibilidade e modernização de instalações, em especial as elétricas e telhados/impermeabilizações;

  • Intensificar as ações de gestão ambiental das infraestruturas, com políticas de eficiência energética, reuso de água, coleta de resíduos, redução de emissões, aumento de permeabilidade do solo e áreas verdes;

  • Estruturar modelo de obra e financiamento, mobilização por orçamento integrando recursos MEC-MCTI, parceria com o Ministério Público Federal – MPF para recursos provenientes de TACs e multas, e parceiros públicos e privados para licitação das obras e projetos em andamento.

Objetivo 8.4: FORTALECER A INTEGRAÇÃO ACADÊMICA E ADMINISTRATIVA UNIFESPIANA, FOMENTANDO AÇÕES DESENVOLVIDAS EM REDE, DE FORMA COLABORATIVA, COMPARTILHANDO INFORMAÇÕES E CONHECIMENTOS EM TORNO DE PROJETOS INSTITUCIONAIS DE CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZO

  • Dar continuidade e apoio ao processo de desconcentração administrativa e acadêmica, fortalecendo as câmaras técnicas, as câmaras de graduação, pós-graduação e pesquisa, extensão e cultura, os NAEs, e aprimorando a formação e capacitação dos servidores para o trabalho em rede, a estrutura de delegação de competências, a criação de espaços de governança participativa, a revisão dos processos e modelos de trabalho, e a qualidade na padronização e integração;

  • Aprimorar o modelo de governança da Unifesp, considerando o ciclo de gestão pública a partir do binômio planejamento e orçamento, e desenvolver o uso de metodologias para decisões públicas baseadas em evidência, com o apoio do Escritório de CoGestão dos Dados Estratégicos Institucionais e discussão no Conselho de Planejamento e Administração – COPLAD;

  • Consolidar as Câmaras Técnicas, com a participação de todos os campi para a construção de propostas de projetos e políticas para a Universidade;

  • Criar comitê estratégico para asssessorar o Consu Unifesp sobre as diretrizes para a execução do orçamento, notadamente no contexto de crise;

  • Fortalecer e ampliar o Escritório Institucional de Apoio à Pesquisa, Inovação e Internacionalização – EIAPII, com ação conjunta da PROPGPq, AGITS Unifesp para atuação em rede junto às Diretorias Acadêmicas e Administrativas dos Campi;  

  • Aprofundar a orientação técnica e a implementação e aperfeiçoamento dos fluxos administrativos definidos entre os campi e a gestão central, a fim de funcionar como um serviço “Poupa Tempo”;

  • Aprimorar o processo de elaboração e implementação de convênios, acordos e parcerias para garantir maior fluidez e agilidade aos projetos acadêmicos de pesquisa, extensão, e inovação tecnológica, social e em políticas públicas, desenvolvimento institucional, novas infraestruturas e outras iniciativas, em ação integrada da Reitoria com os Campi, Unidades Universitárias e Órgãos Complementares;

  • Estimular a proposição e execução de projetos temáticos, contribuindo na articulação de pesquisadores e oferecendo suporte do Escritório de Apoio à Pesquisa, Inovação e Internacionalização - EAPII, assim como a busca de parceiros, em articulação com a FapUnifesp;

  • Promover a articulação dos órgãos complementares da Unifesp;  

  • Ampliar a aprofundar as ações de sustentabilidade, acessibilidade e inclusão;

  • Consolidar o uso do Sistema Eletrônico de Informações – SEI, 100% implantado na Unifesp;

  • Dar continuidade à implementação do Programa de Formação de Líderes, capacitando e garantindo oportunidades, de forma inclusiva, para desenvolvimento de competências e exercício de funções de chefia e liderança na instituição; e criar o banco de talentos na instituição;

  • Aprimorar a capacidade institucional para a elaboração, implementaçã, monitoramento e avaliação de políticas e projetos de interesse da Unifesp;

  • Apoiar os Campi e as Unidades Universitárias na elaboração de projetos e na estratégia de implementação e monitoramento, como o projeto do Centro de Vigilância em Patógenos Emergentes, na EPM/Campus São Paulo, Hospital Universitário (HSP) e HU2;  Farmácia Escola e o Centro de Pesquisa de Fármacos, no ICAQF/Campus Diadema; e a Unidade Embrapii - CIM-UNIFESP, coordenado pelo ICT /Campus São José dos Campos, com a busca de parceiros e captação de recursos para custeio e investimento.

Objetivo 8.5: FORTALECER A FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO – FAPUNIFESP EM SUA FINALIDADE DE APOIAR A UNIVERSIDADE NOS PROJETOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO, E ESTÍMULO A INOVAÇÃO 

  • Aprimorar os mecanismos de relacionamento entre a Unifesp e a FapUnifesp, com diálogo permanente e estratégia conjunta entre as instituições, suas instâncias e órgãos responsáveis pela coordenação e pela gestão dos projetos de ensino, pesquisa e extensão, desenvolvimento científico e tecnológico, e estímulo a inovação, mobilizando todas as áreas de conhecimento da Universidade;

  • Dar continuidade e aprimorar o modelo de governança da FapUnifesp, com a implementação da reestruturação aprovada pelo Conselho Curador, a fim de garantir maior capacidade de gestão e agilidade em seu funcionamento, e consolidar os avanços recentes com os mecanismos de transparência e de controle;   

  • Desenvolver parceria entre a Unifesp e a FapUnifesp para o desenvolvimento de estratégia e ações conjuntas em diálogo com os Campi, Unidades Universitárias e com o Hospital Universitário, por meio da AGITS Unifesp, para a gestão da propriedade intelectual e parcerias na área de inovação tecnológica, social e em políticas públicas;

  • Finalizar e entregar o Centro Cultural da Saúde da Unifesp, no Campus São Paulo, em parceria com a FapUnifesp e com a Secretaria Nacional de Cultura do Ministério da Cidadania com incentivos da Lei Rouanet;

  • Dar continuidade ao Projeto do “Centro de Estudos da Ordem Econômica – CEOE, aprovado pela EPPEN/Campus Osasco no âmbito do Fundo de Direitos Coletivos e Difusos – FDD/Ministério da Cidadania, em parceria com a FapUnifesp;  

  • Dar continuidade ao projeto e desenvolvimento da primeira Unidade Embrapii da Unifesp, do grupo de materiais do CIM-UNIFESP, coordenado pelo ICT e integrado por pesquisadores dos Campi de São José dos Campos e de Diadema, com apoio da PROPGPq e da AGITS Unifesp no âmbito da Reitoria e em parceria com a FapUnifesp;  

  • Dar continuidade aos projetos em andamento com a FapUnifesp e desenvolver novas parcerias, tendo como prioridade a busca de parceiros e captação de recursos em torno das metas previstas no Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI Unifesp 2021-2025.

 

Eixo 9: Governança Digital: gestão de tecnologia de informação e comunicação - TIC, integração de sistemas, serviços digitais, acesso aberto, dados estratégicos e comunicação

Objetivo 9.1: QUALIFICAR A GESTÃO DE TIC NA UNIFESP A PARTIR DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NO ÂMBITO DO COMITÊ ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO – CETIC

  • Aperfeiçoar os sistemas de gestão da Unifesp, a fim de favorecer a execução de ações junto aos campi, e viabilizar a ampliação da desconcentração administrativa por meio da(o):

a) migração do sistema acadêmico para plataforma web;

b) desenvolvimento de módulos de sistemas para pós-graduação a serem incorporados no novo sistema acadêmico web (módulo de oferta de disciplinas, notas, matrícula, integração com Sucupira);

c) migração dos sistemas web existentes (bolsas, rematrícula, restaurante universitário), possibilitando a integração com demais sistemas;

d) Nova Pasta verde da Graduação com integração com “Moodle” e “Classroom”; e

e) reestruturação do fluxo e modernização do sistema de oferta de cursos e eventos de extensão da instituição;

  • Criar estrutura de atendimento multicanal (site, e-mail, telefone) para estudantes da graduação e pós graduação com intuito de facilitar a vida acadêmica. Através desse canal o estudante poderá fazer solicitações, retirar documentos, tudo de maneira virtual/presencial;

  • Capacitar os servidores da área de TI da Unifesp em competências específicas para o desenvolvimento de suas atividades técnicas e de gestão;

  • Consolidar o sistema de matrícula 100% “on line” da graduação; e promover a digitalização do processo de emissão de diplomas;

  • Efetivar a utilização de sistemas digitais de gestão com pessoas, como o SISREF, webferias e requerimentos digitais, que auxiliam o dia a dia dos servidores, aprimorando os fluxos burocráticos e operacionais;

  • Dar continuidade as ações de desburocratização dos sistemas acadêmicos, com o uso de tecnologias digitais (procedimentos administrativos, colações de grau, e outras funcionalidades);

  •  Dar continuidade à modernização dos sistemas de bibliotecas com a implementação de portal de periódico, repositório de dados, repositório institucional;

  • Consolidar o uso do Sistema Eletrônico de Informações – SEI, 100% implantado na Unifesp;

  • Adequar a infraestrutura de rede da Unifesp que suportam as unidades universitárias e administrativas, com ampliação de alcance do wi-fi e criação de políticas sobre uso seguro da rede;

  • Apoiar projeto para implementação de um “Datacenter” específico para pesquisa com uso compartilhado das unidades universitárias;

  • Apoiar a implantação dos sistemas estruturantes (SIADS, SIGEPE) disponibilizados pelo governo federal e eliminar a redundância de dados de sistemas internos;

  • Elaboração de um plano de transformação digital que estabeleça metas, processos e ações na universidade para migração do papel para o digital;

  • Melhorar a articulação das TI locais com a STI de modo a uniformizar projetos, processos e políticas com trabalho em rede, evitando retrabalho, garantindo o melhor uso dos recursos da instituição;

  • Aprimorar fluxos e sistemas para a Gestão da Pesquisa da Unifesp, com interface para o Comitê de Ética em Pesquisa – CEP Unifesp e Comitê de Ética no Uso de Animais – CEUA Unifesp, garantindo os registros e o melhor acompanhamento das pesquisas realizadas na Unifesp;

  • Consolidar o conjunto de sistemas para apoio à eventos com a disponibilização de sistema para inscrição, controle de presença, certificados 100% digitais, e nos casos de eventos “on line”, softwares e serviços de transmissão;

  • Promover a inovação aberta em plataformas colaborativas, licenças alternativas (General Public Licence, Copyleft, Creative Commons, entre outras), que são plataformas de conhecimento abertas, com repositórios institucionais e licenças livres, protegidas em sua autoria, mas de uso público.

Objetivo 9.2: INTENSIFICAR AS AÇÕES PARA O ACESSO ABERTO E A GESTÃO DE DADOS ESTRATÉGICOS NA UNIFESP

  • Promover a democracia digital por meio de abertura de processos de consulta pública para os principais processos na instituição, com diálogo permanente, valorizando os debates de interesse público e a participação da comunidade;

  • Consolidar a implantação do Escritório de CoGestão dos  Dados Estratégicos Institucionais, e dar continuidade à política de gestão de dados estratégicos, ampliando o alcance da plataforma do EDados;

  • Desenvolver ferramenta de monitoramento do PPI e do PDI Unifesp, de caráter gerencial, e garantindo acessibilidade para acesso à informação, transparência e controle social;

  • Apoiar a cultura do acesso aberto no repositório institucional para dar visibilidade de nossa produção acadêmica;

  • Criar serviço de apoio estratégico à produção científica, por meio de fomento aos periódicos produzidos pela Unifesp, apoio à publicação de trabalhos em periódicos nacionais e internacionais;

  • Desenvolver a Gestão Sistêmica das Unidades de Informação e Pesquisa; e consolidar a Coordenadoria da Rede Bibliotecas – CRBU, garantindo condições estruturais, físicas e políticas de atuação para permitir a inovação, capacitação, atendimento, recursos, colaboração, e implementação de novos serviços à comunidade;

  • Fomentar o aprendizado contínuo humano dos técnicos da rede de Bibliotecas para acompanhar as necessidades e atualizações informacionais que a área exigidas pela área através de cursos, treinamentos, formação e discussões com profissionais de outras instituições;

  • Realizar cursos de Competência em Informação e elaborar programas de formação para estudantes e servidores no uso da informação científica;

  • Intensificar a participação da Unifesp no “Movimento Ciência Aberta”, tendo como compromissos:

  • a) desenvolver ações e atividades de promoção da Ciência aberta em toda a universidade com envolvimento das bibliotecas;

  • b) consolidar as plataformas de acesso aberto, melhorar a infra-estrutura e os processos ligados às plataformas de acesso;

  • c) ampliar e consolidar a política institucional da ciência aberta;

  • d) estimular a participação da comunidade; e

  • e) criar políticas de preservação de informação e de dados nos repositórios institucional e de dados.

Objetivo 9.3: QUALIFICAR A INFRAESTRUTURA PARA A COMUNICAÇÃO PÚBLICA NA UNIFESP E DESENVOLVER ESTRATÉGIAS DE DIVULGAÇÃO DA UNIVERSIDADE E DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PARA A SOCIEDADE

  • Fortalecer institucionalmente e desenvolver o papel da comunicação social orientada à comunicação pública, com papel estratégico na instituição e na relação Universidade-Sociedade, na disputa com outras representações de mundo no ecossistema informativo/midiático;

  •  Aprimorar a estrutura da comunicação pública visando diversificar estratégias de difusão do trabalho realizado da Universidade e a importância da ciência, de forma a dar visibilidades às ações, processos e produtos para a melhoria da qualidade de vida das pessoas;

  • Criação de setores de comunicação em todos os Campi, com estrutura física e de pessoal, para ampliação das ações da Unifesp nos portais e mídias sociais, visando fornecer maior acesso à informação científica de relevância social para a comunidade interna e externa.